Cirurgia Geral

O que é e o que trata?

A cirurgia geral é a especialidade que trata as urgências cirúrgicas, assim como compreende as cirurgias abdominais, trauma e videocirurgias.

Conheça algumas das cirurgias realizadas:

Hérnia Abdominal

Imagem Hérnia Abdominais

O que são hérnias abdominais?

Hérnias são protrusões de um órgão ou parte dele para fora do espaço que ele normalmente ocupa. Esta protrusão ocorre através de um orifício natural ou adquirido. No caso das hérnias abdominais esse orifício se localiza na parede abdominal.

Quase sempre as hérnias aparecem quando a pessoa sofre um acidente, tenta levantar um peso, tosse violentamente ou executa qualquer outra tarefa que aumente a pressão sobre o órgão herniado. As hérnias não surgem de uma hora para outra, elas vão se formando gradativamente, às vezes ao longo de muito tempo.

Embora a maioria das hérnias não represente um problema imediato e possa ser “reduzida” por manobras manuais (recolocação manual do conteúdo herniado para dentro da cavidade abdominal), elas podem evoluir para hérnias encarceradas ou estranguladas. No primeiro caso, o conteúdo da hérnia fica “preso” dentro do saco herniário e não é mais possível retorná-lo para o seu local original. No segundo caso, além do que foi descrito anteriormente, ocorre um impedimento do suprimento sanguíneo, com isquemia e necrose do conteúdo herniado. As hérnias estranguladas, ao contrário das hérnias regulares, são sempre dolorosas e às vezes são acompanhadas por sintomas como náuseas, vômitos, febre e mal-estar geral. As hérnias estranguladas representam sempre uma situação médica de emergência.

Quais são os tipos de hérnias abdominais?

As localizações mais comuns são a região inguinal, umbilical, femoral, epigástrica e em locais onde haja cicatrizes de cirurgias anteriores (hérnia incisional). Outras localizações podem ainda ocorrer, mas são mais raras.

Os tipos mais comuns de hérnias abdominais são:

  • Hérnia inguinal: é a mais frequente das hérnias abdominais. A protrusão se dá na região inguinal (virilha), seja porque a parede dessa região abdominal é especialmente fraca, seja porque ela suporta pressões especiais. Ela tende a se agravar com todas aquelas situações que implicam em aumento da pressão intra-abdominal (esforço para evacuar, constipação intestinal crônica, exercícios físicos, etc.), obesidade, tabagismo, doenças da próstata, do coração ou do fígado.
  • Hérnia umbilical: a hérnia umbilical pode estar presente desde o nascimento (hérnia congênita) ou ser adquirida ao longo da vida e é causada por um defeito de oclusão da cicatriz umbilical. Na maioria das vezes, a hérnia umbilical congênita se fecha espontaneamente até os quatro anos de idade, mas caso ela persista além disso será necessário tratamento cirúrgico. Em adultos, a hérnia umbilical raramente desaparece e a tendência é que vá aumentando progressivamente de tamanho. Ocorre tanto em homens como em mulheres, associada à elevação da pressão intra-abdominal (exercício físico, carregar peso, levantar-se da cama, força da evacuação, etc.). Nas mulheres pode estar associada à gravidez.
  • Hérnia epigástrica: As hérnias epigástricas incidem na linha mediana do abdome, acima ou abaixo da cicatriz umbilical e deve-se a aberturas entre os músculos retos abdominais. Podem ocorrer mais de uma ao mesmo tempo.
  • Hérnia femoral: a hérnia femoral (ou crural) é uma protrusão do conteúdo da cavidade abdominal ou da pelve através do canal femoral. A hérnia femoral em geral é adquirida, possivelmente resultante de um aumento da pressão intra-abdominal. É o terceiro tipo mais incidente entre as hérnias abdominais e tende a aumentar de frequência com a idade, em virtude do enfraquecimento dos tecidos, próprio do envelhecimento. Habitualmente as hérnias femorais são assintomáticas, mas às vezes se manifestam por dor local, protrusão na virilha ou, se for o caso, pelos sintomas de encarceramento ou de estrangulamento que esse tipo de hérnia pode apresentar.
  • Hérnia incisional: as hérnias incisionais resultam do enfraquecimento da parede abdominal ou da cicatrização inadequada das incisões em locais do abdome que tenham sido submetidos à cirurgia. Este tipo de hérnia tem altos índices de recidiva e complicações. Elas são facilitadas por infecções da ferida cirúrgica; obesidade; uso de corticoides e de quimioterapia; tosse ou complicações respiratórias no pós-operatório; má nutrição e idade avançada.

Quais são os sinais e sintomas das hérnias abdominais?

O sinal mais ostensivo das hérnias abdominais é a protrusão que elas provocam na parede do abdome, a qual aumenta de volume com o esforço físico. Algumas delas são assintomáticas, mas quando há sintomas os mais comuns são: sensação de desconforto na região afetada, dor no local, náuseas e vômitos.

Como é o tratamento das hérnias abdominais?

Uma regra simples para entender o tratamento das hérnias é a seguinte: “Uma hérnia diagnosticada é igual a uma hérnia operada” A solução definitiva é cirúrgica, com recomposição da parede enfraquecida e reposição da estrutura herniada.

Como evoluem as hérnias abdominais?

Uma vez iniciadas, a maioria das hérnias vai crescendo progressivamente, podendo chegar a tamanhos impressionantemente grandes.

Quais são as complicações possíveis das hérnias abdominais?

A complicação mais comum e mais grave é o “estrangulamento” da estrutura herniada, que, como dito anteriormente, constitui uma situação médica grave e de emergência e que requer cirurgia imediata.

Dra. Aline Kusumoto

crm-sp: 155.052

Gastroenterologista, cirurgiã do Aparelho digestivo e coloproctologista

Conheça mais sobre a
Dra. Aline Kusumoto
×
Olá, posso te ajudar?